Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Leonor e o Cromossoma do Amor

Este blog serve para vos falar um pouco da nossa vida enquanto pais de uma menina muito especial, pois tem o cromossoma do amor e na realidade foi isso mesmo que ela trouxe à nossa vida: muito amor!

Este blog serve para vos falar um pouco da nossa vida enquanto pais de uma menina muito especial, pois tem o cromossoma do amor e na realidade foi isso mesmo que ela trouxe à nossa vida: muito amor!

Leonor e o Cromossoma do Amor

20
Dez20

Aproximação do Fim das Consultas Deste Ano

Neuza

Pois é! Desde que a Leonor nasceu e que descobrimos a trissomia, soubemos que as consultas das mais variadas especialidades seriam habituais e que passariam a ser parte da nossa rotina.

É claro que existem alturas em que temos muitas consultas, outras que não temos nenhumas ou muito poucas, mas elas existem e existirão. Confesso que às vezes é cansativo e nessas alturas em que me sinto mais cansada dou por mim até a pensar (no caminho de casa), que numa situação "normal", estaria em casa a tratar das coisas de casa, a brincar com a minha Pipoquinha, ou até quiçá, a descansar um pouco da semana de trabalho.

E atenção que não estou de todo a queixar-me, são pensamentos que de quando em vez me passam pela cabeça. Não tenho porque me queixar, a Leonor é e sempre foi saudável.

Este mês de Dezembro tem sido um mês com algumas consultas. Começamos com otorrinolaringologia (está tudo bem com os ouvidinhos, narizinho e garganta da Princesa) e comecei o mês com uma felicidade imensa porque ouvi das coisas mais bonitas e importantes que uma mãe pode ouvir em relação tanto à saúde, como ao desenvolvimento de um filho, principalmente quando este tem (e falo no nosso caso) trissomia 21. Não me vou alongar muito para não ser aborrecida, mas quando o médico nos diz que "...a Leonor foge às estatísticas e isso não quer dizer que as mesmas estejam erradas porque não estão!" e aqui eu penso que a minha Leonor foge às estatísticas desde que foi feita, em que fizemos todos os exames minuciosos durante a gravidez e nada foi detetado, isto ao ponto de um dos médicos que segue a Leonor, que é expert em trissomia 21, e após ter visto todos os exames que nós fizemos, nos ter dito que "era impossível perceber na gravidez porque ela não apresentava nenhum indicativo", fosse ele analítico, fosse ele da parte de imagiologia.

E quando acabamos esta consulta a ouvir "...se ela continuar assim, a Leonor só não será o que ela não quiser ser!", é claro que não consigo controlar a minha felicidade imensa. Sei que tudo isto se deve a muito trabalho por parte dela e que para um bebé de 2 anos é bastante e às vezes ela só quer descansar e ainda assim continua e com um sorriso. Como não a admirar? Sei que todos os dias aprendo muito com ela e cresço muito como pessoa por e com a minha filhota.

As consultas que se seguiram (e que ainda não terminaram) focam-se na boca, gengivas, dentes e higiene dos mesmos.

Para já, está tudo bem em todos os aspetos com a minha pequena, basicamente é continuar e acreditem que não é fácil fazer a higiene oral à Leonor, mas pela saúde dela, até a fazer o pino se for necessário, o fazemos.

As consultas deste ano ainda não terminaram (falta uma), mas a nível de saúde e desenvolvimento, e apesar deste ano atípico e desafiante, estamos felizes e gratos!

E temos um obrigada gigante a direcionar a todos os que acompanham e cuidam da nossa filha.

A verdade é que, como se costuma dizer (e eu amo esta frase e digo-a vezes sem conta porque somos mesmo uns privilegiados e em todo o lado é isto que sinto): "Quem meus filhos beija, minha boca adoça!", e como tal estamos agradecidos a todos os profissionais das diversas áreas (médicos, enfermeiros, terapeuta, educadora, auxiliares de ação educativa, família - a nossa e a que construímos com os nossos amigos).

Fiquem bem, continuem a proteger-se e a ter fé.

Um beijinho gigante nos vossos corações.

131937435_748202132457339_6510831344624691125_n.jp

131980110_1786142854877307_358989938247649541_n.jp

132442983_220309083049083_5696097018261870641_n.jp

10
Nov20

Vacina da Gripe

Neuza

Ora tal como no ano passado, chegou a altura do ano em que chega a altura desta vacina.

Há 2 anos atrás, a minha Pipoquinha tinha apenas 2 meses e por isso não a podia levar, tivemos de levar eu e o João, mas no ano passado e este ano já foi ela que levou.

Já imaginava o que me ia esperar, visto que já tinha visto o "filme" no ano anterior, mas no ano passado não havia a COVID-19.

O que eu quero dizer com isto? Quero dizer que no ano passado, após a vacina, a minha pequenita ficou constipadinha e já esperava que este ano tornasse a acontecer e...não me enganei!

O problema é que agora estamos em plena pandemia, qualquer sintomatologia que possa ser associada à COVID-19 deixa logo todos em alerta e alguns a olhar de lado.

A Leonor tem ido para a escolinha na mesma, isto porque tenho medido a febre todos os dias de manhã e à noite e sem sinais de febre, está é ranhozinha e com alguma tosse devido à expectoração. Já está a melhorar, mas como já referi, não era nada que eu não estivesse a contar, esta época é que não ajuda.

No entanto, sei que ela está bem, estamos bem, continua sem febre e está a melhorar da expectoração. Continuemos a viver e a ser felizes...com saúde!

Protejam-se, porque a protejerem-se estão a fazer-vos bem a vocês, aos vossos e aos outros.

123747813_1315564765449901_466553884819498667_n.jp

124660558_1511335752589959_737970020595480737_n.jp

09
Nov20

A Avaliação da Fala da Pipoquinha

Neuza

Olá olá olá!

Já estava há algum tempo sem dar notícias, mas hoje é o dia.

Nas últimas consultas de desenvolvimento da minha Pipoquinha, já tinha questionado os médicos o que achavam em relação à fala e se seria necessário começarmos a pensar em terapia da fala. Na altura, sempre me disseram que ela estava bastante bem para a idade e que não havia necessidade, a não ser que eu quisesse simplesmente gastar dinheiro. Óbvio que confiei no que me diziam, mas fiquei a matutar na ideia.

Agora, quando iniciou o novo ano letivo, e após a minha Princesa ter trocado de terapeuta a nível da ELI (intervenção precoce), questionei se seria possível a terapeuta da fala da equipa fazer uma avaliação à minha filhota e vermos em que pé estamos e concordaram em avaliá-la.

Confesso que no dia da avaliação estava numa pilha de nervos. Apesar de confiar nos médicos, na terapeuta, na educadora e auxiliar da sala, eu queria mesmo ouvir a opinião de quem trabalha na área. Eu precisava!

A avaliação correu super bem, o feedback que nos foi dado foi de que ela estava ótima para a idade dela, que estava num excelente nível de desenvolvimento e que teríamos de insistir um pouco mais na ação (nos verbos). Temos também de trabalhar com a Leonor a atenção, o manter-se atenta e focada mais tempo, para conseguir adquirir melhor as competências (que tem adquirido) e aprender. A minha questão é: Como coloco uma criança de 2 aninhos atenta, sentada e quieta, focada em algo, quando à sua volta tem imensas distrações? O "problema" da minha pequena é que quer assimilar tudo, observar tudo, aprender tudo...ela quer "beber" de tudo.

Noto na minha Leonor, desde muito bebé, que ela é uma criança extremamente observadora e que gosta de imitar tudo o que vê e ouve, e acaba por ter alguma facilidade na aprendizagem! É verdade que também trabalha imenso para isso, pois para além da terapia, sei que na escolinha puxam bastante por ela, talvez até mais do que pelos outros meninos, mas agradeço todo esse trabalho e esforço de quem a acompanha na escola, bem como da sua terapeuta que é 5 estrelas e como já cheguei a dizer é mais do que apenas terapeuta, é amiga!

E noto que quanto mais puxamos por ela, mais ela quer. A Leonor é uma esponja. E apesar de todo este trabalho, o que torna a minha filhota ainda mais incrível aos meus olhos, é que ela gosta.

É mesmo uma guerreira, uma lutadora, a traçar caminho para a sua caminhada.

Aprendo todos os dias mais um bocadinho com ela sobre o que é a resiliência e a querer ser como ela.

Quero muito que ela use as suas asas para voar. Eu e o pai estaremos sempre aqui para a acompanhar e amparar.

Voa filha e sê sempre muito feliz. Vive com amor, dá o teu amor aos outros, coloca amor em tudo o que faças porque com amor não tem como correr mal. Por aqui serás sempre muito amada!

122458908_838298453578415_8256566994306379859_n.jp

124394792_2755484631365590_4606494976213893593_n.j

12
Out20

O Início do Novo Ano Letivo 2020/2021

Neuza

Este início de ano letivo, penso não ter sido calmo para ninguém e arrisco até em dizer que nos sentimos todos (e falo de nós pais e dos encarregados de educação) muito receosos com toda esta situação, mas que na realidade a expressão é "tem de ser" e é para o bem deles.

A educação/ensino não pode parar e a convivência para os miúdos é super importante a nível de socialização (é só a minha opinião, que vale o que vale). Confesso que no fim de Maio, quando as escolinhas voltaram a abrir portas e fui deixar a minha Pipoquinha, não estava tão assustada como me senti em Setembro, isto porque em Maio haviam, ainda, pouquinhos meninos na escola, estava tudo "mais controlado" e de forma mais fácil.

Agora em Setembro voltaram os meninos todos, voltaram os pais ao trabalho e como já se viu e infelizmente, porque parece que existem muitas pessoas que ainda não perceberam que estamos no meio de uma PANDEMIA: voltam os ajuntamentos, esqueceram-se de que houve um confinamento, um estado de emergência, que ainda estamos sob medidas de contingência, aliás como podemos observar todos os dias com os números de novos casos que nos tem entrado pela casa a dentro através da televisão. A minha consciência está tranquila, sei que tomo todos os cuidados possíveis, para me manter segura a mim e ainda mais importante aos meus, principalmente à minha Princesinha. E tento dar a maior normalidade possível, apesar de todos os cuidados, aos nossos dias.

No nosso caso, com início do ano letivo, há também novas avaliações feitas com a responsável da escolinha, a responsável da sala, a responsável da Equipa da Intervenção Precoce que irá ficar com a Leonor, com o objetivo de traçarmos novos objetivos para a Leonor e percebermos a nível de desenvolvimento como ela está e o que é necessário trabalharmos mais.

Assim como nós pais também falamos sempre após a terapia com a Raquel, a terapeuta que acompanha a Leonor desde muito bebé e ela nos dá o feedback de como ela está a nível de desenvolvimento e do que vamos fazer a seguir. A Raquel para mim é família, é uma amiga. Ela talvez não saiba, mas veio salvar-me a mim e consequentemente veio salvar a Leonor e a nossa família. Recorri à Raquel, quando já não estava a aguentar mais o facto de sempre que o meu bebé acordava as únicas coisas que fazia com ela era dar mama, colocar a arrotar, trocar fralda e fazer terapia e colocar a dormir novamente. Era cíclico. Mas eu queria ter os meus momentos de apenas mãe e não mãe terapeuta. Estava a fazer-me mal, eu só queria poder usufruir do meu bebé, dar colo, mimo e aconchego. Para não falar de que ainda estávamos a passar por todo um período de adaptação a duas novas realidades: a entrada de uma bebé, o primeiro, na família e o facto de termos acabado de descobrir que esse bebé tinha Síndrome de Down e que precisava de umas ajudinhas extra.

Não esquecendo como é óbvio a Susana, também para mim uma grande amiga, sempre com uma preocupação também comigo e com o meu estado emocional e que foi a primeira terapeuta da ELI da minha filhota e que infelizmente, e digo assim porque tanto eu como a Leonor gostamos muito muito dela, este ano já não irá acompanhar a Leonor. Existem outros bebés pequeninos que precisam dela e só quero que os pais desses bebés saibam e fiquem descansados porque não vos podia ter calhado melhor pessoa. A nossa relação não terminou, prometi que lhe continuava a mandar miminhos da nossa Pipoquinha e assim farei. Continuaremos a falar sem dúvida.

Tudo isto para vos dizer que a Leonor está ótima a nível de desenvolvimento. Fala imenso, parece um papagaio, tem noção das rotinas e do que fazer com os materiais que lhe são dados, a nível de motricidade também está super bem, tem imensa energia: corre desde que acorda até que se deita (literalmente), costumo dizer que me canso só de olhar ahahahah.

Adorava que todos pudessem conhecê-la porque ela é uma linda e parte corações. É amorosa.

Neste blog, há algum tempo atrás disse que não iria mostrar a cara dela, que ela quando fosse crescida a mostraria se quisesse, mas a verdade é que foi ela já tão pequenina que quis. Ela adora isto, as fotos, os vídeos. Adora pousar e eu achei que estava na hora de vos presentear com ela aos 12 meses. NUNCA pensei que seria tão cedo, mas o meu coração mandou.

Ela é especial demais para ficar guardada só para nós.

Ela não é a trissomia 21, ela é a Leonor, a minha Leonor e tem um rosto que é lindo e está sempre com um sorriso que alegra qualquer um e qualquer dia.

Tudo isto para vos comunicar que apesar de todas as contradições, a Leonor está ótima, a desenvolver muito muito bem e cada vez mais tenho a certeza que com amor tudo se consegue, o amor é tudo!

Por isso amem muito e se acham que alguém, por algum motivo não merece o vosso amor e o vosso carinho, desenganem-se, essas são as pessoas que mais necessitam do nosso amor e por isso amem-nas ainda com mais força!

Beijinhos nos vossos corações.

121469431_963777104099686_7976001849988403380_n.jp

121533992_344246066911611_4741631362538696685_n.jp

12
Out20

O Início do Novo Ano Letivo 2020/2021

Neuza
Este início de ano letivo, penso não ter sido calmo para ninguém e arrisco até em dizer que nos sentimos todos (e falo de nós pais e dos encarregados de educação) muito receosos com toda esta situação, mas que na realidade a expressão é "tem de ser" e é para o bem deles. A educação/ensino não pode parar e a convivência para os miúdos é super importante a nível de socialização (é só a minha opinião, que vale o que vale).

Confesso que no fim de Maio, quando as escolinhas voltaram a abrir portas e fui deixar a minha Pipoquinha, não estava tão assustada como me senti em Setembro, isto porque em Maio haviam, ainda, pouquinhos meninos na escola, estava tudo "mais controlado" e de forma mais fácil. Agora em Setembro voltam os meninos todos, voltam os pais ao trabalho e como já se viu e infelizmente, porque parece que ainda existem muitas pessoas que ainda não perceberam que estamos no meio de uma PANDEMIA, voltam os ajuntamentos, esqueceram-se de que houve um confinamento, um estado de emergência, que ainda estamos sob medidas de contingência, aliás como podemos observar todos os dias com os números de novos casos que nos tem entrado pela casa a dentro através da televisão.

A minha consciência está tranquila, sei que tomo todos os cuidados possíveis, para me manter segura a mim e ainda mais importante aos meus, principalmente à minha Princesinha.

No nosso caso, com início do ano letivo, há também novas avaliações feitas com a responsável da escolinha, a responsável da sala, a responsável da Equipa da Intervenção Precoce que irá ficar com a Leonor, com o objetivo de traçarmos novos objetivos para a Leonor e percebermos a nível de desenvolvimento como ela está e o que é necessário trabalharmos mais.

Assim como nós pais também falamos sempre após a terapia com a Raquel, a terapêuta que acompanha a Leonor desde muito bebé e ela nos dá o feedback de como ela está a nível de desenvolvimento e do que vamos fazer a seguir. A Raquel para mim é família, é uma amiga. Ela talvez não saiba, mas veio salvar-me a mim e consequentemente veio salvar a Leonor e a nossa família.

Recorri à Raquel, quando já não estava a aguentar mais o facto de sempre que o meu bebé acordava as únicas coisas que fazia com ela era dar mama, colocar a arrotar, trocar fralda e fazer terapia e colocar a dormir novamente. Era ciclíco. Mas eu queria ter os meus momentos de apenas mãe e não mãe terapêuta. Estava a fazer-me mal, eu só queria poder usufruir do meu bebé, dar colo, mimo e aconchego. Para não falar de que ainda estavamos a passar por todo um período de adaptação a duas novas realidades: a entrada de uma bebé, o primeiro, na família e o facto de termos acabado de descobrir que esse bebé tinha Síndrome de Down e que precisava de umas ajudinhas extra.

Não esquecendo como é óbvio a Susana, também para mim uma grande amiga, sempre com uma preocupação também comigo e com o meu estado emocional e que foi a primeira terapêuta da ELI da minha filhota e que infelizmente, e digo assim porque tanto eu como a Leonor gostamos muito muito dela, este ano já não irá acompanhar a Leonor. Existem outros bebés pequeninos que precisam dela e só quero que os pais desses bebés saibam e fiquem descansados porque não vos podia ter calhado melhor pessoa. A nossa relação não terminou, prometi que lhe continuava a mandar miminhos da nossa Pipoquinha e assim farei. Continuaremos a falar sem dúvida.

Tudo isto para vos dizer que a Leonor está ótima a nível de desenvolvimento. Fala imenso, parece um papagaio, tem noção das rotinas e do que fazer com os materiais que lhe são dados, a nível de motricidade também está super bem, tem imensa energia: corre desde que acorda até que se deita (literalmente), costumo dizer que me canso só de olhar ahahahah.

Adorava que todos pudessem conhecê-la porque ela é uma linda e parte corações. É amorosa.

Neste blog, há algum tempo atrás disse que não iria mostrar a cara dela, que ela quando fosse crescida a mostraria se quisesse, mas a verdade é que foi ela já tão pequenina que quis. Ela adora isto, as fotos, os vídeos. Adora pousar e eu achei que estava na hora de vos presentear com ela aos 12 meses. NUNCA pensei que seria tão cedo, mas o meu coração mandou. Ela é especial demais para ficar guardada só para nós. Ela não é a trissomia 21, ela é a Leonor, a minha Leonor e tem um rosto que é lindo e está sempre com um sorriso que alegra qualquer um e qualquer dia.

Tudo isto para vos comunicar que apesar de todas as contradições, a Leonor está ótima, a desenvolver muito muito bem e cada vez mais tenho a certeza que com amor tudo se consegue, o amor é tudo!

Por isso amem muito e se acham que alguém, por algum motivo não merece o vosso amor e o vosso carinho, desenganem-se, essas são as pessoas que mais necessitam do nosso amor e por isso amem-nas ainda com mais força!

Beijinhos nos vossos corações.
09
Set20

Tomás My Special Baby

Neuza

Conheci o blog da Andreia Paes de Vasconcellos, há 2 anos atrás. Foi numa das consultas de pesagem da Leonor, quando ela tinha uma semana de vida, em que comentei que havia a suspeita da minha Pipoquinha ter Síndrome de Down (ainda não tínhamos o resultado do cariótipo), que a enfermeira do Centro de Saúde (provavelmente por ela já estar a ver aquilo que eu não queria) me questionou se eu conhecia ou se já tinha ouvido falar no Blog: Tomás My Special Baby. Não conhecia e nunca tinha ouvido falar e ela recomendou-me passar por lá e ler.

Confesso que não o fiz logo, não queria aceitar toda a situação, até que tivemos a confirmação e eu sofri muito, desesperei, sentia que ninguém me compreendia e decidi ir ao Blog. Passei um dia a lê-lo, a ler a Andreia. Não a conhecia, mas senti um carinho, uma cumplicidade, uma força tão grandes que ao longo dos dias me foram dando ânimo e coragem para avançar com a nossa vida. Aprendi imenso, fez-me questionar e estudar sobre o assunto, fez-me ver as coisas com outros olhos e de outras perspetivas e foi no Blog da Andreia que eu percebi que afinal este caminho podia ser lindo e prazeroso, tudo dependia de nós mesmos e do nosso coração, que com amor tudo se faz e tudo se consegue. Voltei a sorrir.

Lembro-me de ir ao Blog e dizer ao João várias vezes: "É incrível! Podia ter sido eu a escrever, é exatamente assim como me sinto." Senti-me amparada, acontecia deparar-me com algumas situações e lá ia eu ao Blog ver se encontrava "respostas" e acabava sempre por encontrar nem que fosse uma palavra que me tocava o coração e encontrava também um sorriso no meu rosto.

Um dia ganhei coragem e decidi entrar em contacto com a Andreia, que prontamente me abriu as portas de sua casa e mais uma vez, junto da sua família (que é um espetáculo e sentem-se as boas energias e todos os sentimentos maravilhosos que os regem) encontrei conforto e esperança. Encontrei Amor.

A Andreia e a família não me são indiferentes, sinto-os um pouco como meus, como se fossem da minha família. Sei que não o são, não somos amigos sequer e eu sou apenas e só uma das milhentas seguidoras da Andreia e do seu Blog, mas para mim, eles são meus, são especiais por tudo o que significam na nossa Família! Só tenho a agradecer à Andreia, por tudo e de coração.

Pois nela, naquele espacinho dela e da sua família eu encontrei: Paz, Amor, Esperança, Alegria e...um Lar!

Obrigada Andreia, Obrigada Tomás! Obrigada à vossa Família, a quem ainda recorro sempre que necessito de um empurrãozinho <3

119087209_265705934393850_1954460193096489740_n.jp

119114715_616006962448379_4775844268714393823_n.jp

28
Ago20

Há Dias Assim...

Neuza

Há dias em que me sinto assim, mais em baixo!

Em que não é fácil avançar no dia, em que faço um esforço para fazer o que prometi há 2 anos atrás, após a aceitação e do choque inicial, com a condição da Leonor, que iria ser muito feliz e sorrir muito, porque sou assim: sou alegre, porque gosto de sorrir, porque me faz bem, porque acredito que um sorriso pode mudar vidas e faz bem à alma, pela minha filha, pelo meu marido, pela nossa família, mas acima de tudo por mim.

Há dias assim, em que me sinto extremamente cansada física e psicologicamente, em que saio de casa a pensar: "sorri, a tua família não tem culpa, os teus amigos não tem culpa, as tuas colegas no trabalho não tem culpa e eu preciso de me esforçar, quero um bom ambiente à minha volta e o trabalho efetivamente faz-me bem!", mas tem alturas que acabo por me ir mais abaixo.

Há dias assim, em que sinto que falhei comigo, com os meus, convosco. Quando criei o blog pensei que iria conseguir dedicar-me bastante a este "projeto". Falhei redondamente, mas às vezes temos de fazer escolhas. O meu horário de trabalho "obriga-me" a sair cedo de casa e grande parte dos dias saio tarde, faço 50 km de carro todos os dias e chego a casa pelas 21horas...tenho 15 minutos para estar com a Leonor antes dela se ir deitar e quero aproveitá-lo ao máximo, para não falar em banho, jantar, arrumar a casa, passar a ferro, estar um pouco com o marido a conversar (este que por sinal me ajuda imenso...quase sempre é ele a fazer o jantar devido à hora que chego e a arrumar a cozinha para eu poder fazer outras coisas ou simplesmente descansar um pouco...sendo que antes disso tratou da Leonor antes de eu chegar) e quando dou por mim é quase meia-noite e só quero ir descansar. Quando aceitei as mudanças que tinham/iam ocorrer na nossa casa/família, decidi que ia sorrir muito, que iria levar a situação com alegria e humor (porque gosto e sou assim) e o blog seria para escrever a contar a minha experiência, mas sem expectativas! Sei que poucos por aqui passam, mas este é o meu porto de abrigo e na realidade escrevo para quem me quiser ler, mesmo que seja só e apenas eu. Faço-o também porque gosto de escrever, é terapêutico e muitas vezes é mais fácil escrever que falar.

Há dias assim, em que sinto que não consigo lidar com as birras da Leonor, sendo que a minha pipoquinha está neste momento na fase delas, tudo é um motivo para dramatizar e se ela o faz bem. Sinto que estou a falhar, se calhar não estou, mas é o que sinto. Começo a questionar-me com tudo: a culpa deve ser minha, não estou a conseguir dar-lhe o que ela precisa, questiono se estes comportamentos serão normais nas crianças com a idade dela, no minuto seguinte acho que se deve apenas à condição dela e depois já acho que não, que não tem nada a ver. Confusão total na minha cabeça. Depois choro, ou veem-me as lágrimas aos olhos porque sinto que estou a ser injusta para com a minha princesinha, começo a questionar aquilo que sei bem, mas que nestes momentos parece que nada sei: "Será que aceitei mesmo?" Lá está, eu sei que sim, está mais que aceite e interiorizado, mas...

...há dias assim.

No 2º aniversário da Leonor fiz este vídeo, se quiserem passem para ver:

https://www.instagram.com/tv/CDgc-yiAQcT/

Beijinhos nos vossos corações.

118516537_2728011644155125_6610029978681020640_n.j

118602953_314158876671054_8092713081750855017_n.jp

04
Ago20

Os Nossos Dias com a "Mini Influencer" cá de Casa

Neuza

Estivemos de férias e eu estava cheia de confiança que era nestes dias que ia ter imenso tempo e vos vinha escrever, mas não aconteceu! Chegava ao fim do dia completamente de rastos.

Aproveitamos bastante estes dias. Já não tínhamos férias em conjunto há bastante tempo, 2 anos mais precisamente e este ano a Leonor já aproveitou bem o tempo connosco e com as atividades a que nos propusemos.

Fizemos muita praia, continuamos com a terapia da Pipoquinha e aproveitamos ao máximo porque em Agosto não tem, tivemos as consultas dos 2 anos e o segundo aniversário da minha Princesa.

Descobri que não tenho apenas e só um peixinho, eu sou mãe de uma sereia. A minha filhota adora água, adora o mar, não tem medo nenhum, temos de ter imenso cuidado porque é vê-la correr para as ondas toda destemida. É um perigo!

Nas consultas verificamos o que a terapeuta nos dizia dia após dia, que a Leonor estava ótima, tanto a nível físico (saúde, crescimento, peso), bem como a nível de desenvolvimento, mais uma vez nos disseram que ela está equiparada a qualquer outra criança com 2 anos. Óbvio que ficamos imensamente felizes, mas preferimos não nos iludir, sabemos que tudo pode mudar de um momento para o outro, ainda assim aproveitamos super bem esta alegria imensa de ver que o trabalho da Pipoquinha, da sua força de vontade, do seu esforço estão a dar frutos. Cada vez mais orgulhosa desta minha Guerreira que continua a dar-nos uma lição de vida todos os dias. Somos uns sortudos!

No dia 29 de Julho, vivemos os 2 anos do dia mais bonito e especial da minha vida: a chegada da minha filhota diretamente para os meus braços. Confesso que este dia me traz um mix de sentimentos. Claro que hoje olhando para trás sei que são bons e que tenho tanta, mas tanta sorte. No entanto, não consigo esquecer, os momentos da descoberta da trissomia da Leonor, é impossível esquecer, é impossível não me emocionar, não de tristeza como foi na altura, mas por conseguir ver que apesar de tudo tenho/tivemos uma menina que é uma benção: é linda, saudável, esperta, ativa, simpática (mete-se com toda a gente), muito doce e que está cada vez mais autónoma e independente!

Este ano resolvemos levá-la de manhã ao Jardim Zoológico e à tarde ao Oceanário. E o que vos posso dizer, é que o sorriso que manteve o dia inteiro no rosto dela e fez o meu dia. Não conseguia parar de olhar para ela, estava a conseguir proporcionar-lhe um dia inesquecível. Estive o dia todo, também eu, com um sorriso, ela é magnética, não é possível não sorrir ao observar a felicidade dela.

Tenho falado tanto com o João sobre o que sinto: como é possível amar cada vez mais a cada segundo que passa? Que sentimento lindo este de uma mãe para com o seu rebento.

AMO-A infinitamente, eternamente, incondicionalmente, incontrolavelmente e incansavelmente. E é tão bom! Faço questão de lho dizer todos os dias, mais do que uma vez e ela responde-me com o maior sorriso do Mundo e com os melhores mimos que alguma vez tive.

AMEM MUITO E SEJAM FELIZES!

117171422_289723645591685_2493793307081391209_n.jp

117305416_326280995448018_3693599349249504477_n.jp

117333504_757051735121084_650398978890771091_n (1)

18
Jun20

O Tempo Não Perdoa

Neuza

Pois é, esta semana dei por mim a pensar que já vamos a meio do mês de Junho e estamos quase no aniversário da Leonor e que tenho de começar a pensar no que quero fazer para festejar o aniversário do dia mais feliz da minha vida!

Queria celebrar em grande, como fiz no ano passado, mas este ano devido ao "bicharoco" que aí anda não sei como será, nem como fazer. Temos tantas pessoas importantes, que queríamos junto de nós neste dia especial, no entanto, a minha parte racional pensa que o melhor seria não o fazer, ou pelo menos fazer de forma digital, com vídeochamadas por exemplo.

Estou mesmo sem saber o que fazer e a precisar de ideias rapidamente. Aceito sugestões.

Quero muito partilhar aqui convosco a consulta de desenvolvimento que a Leonor tinha em atraso devido aos tempos que vivemos, e à qual fomos na sexta-feira passada. Foi a primeira vez que fomos consultados pela Dra. Joana (nova médica atribuída à Leonor) e a Dra. também não conhecia a Leonor, mas como sempre a minha Pipoquinha espalhou o seu charme e fez a médica apaixonar-se por ela quase de imediato.

Como forma de a conseguir avaliar e perceber o seu desenvolvimento, a médica apresentou vários estímulos à Leonor: brinquedos, jogos, bonecos e avaliou o que ela fazia com eles e como o fazia, ou até pedia para ela executar determinada tarefa e ela assim o fazia.

Também conversou com ela para perceber como estava a minha Princesinha em termos de fala e compreensão, ainda lhe questionou as partes do corpo (que a minha filhota sabe bem ;p ).

Ela estava encantada com a Leonor, palavras dela e a princesa estava a adorar a consulta até termos chegado à hora de pesar e medir, aí tudo mudou de figura!

No fim da consulta, questionei a médica o que ela achava e a resposta que obtive foi que a minha Pipoquinha está ótima, com um desenvolvimento muito bom, igual a qualquer outra criança da idade dela. Para já. Sim, tenho a plena consciência que estamos a avaliar o momento, tudo pode mudar de um dia para o outro, mas a realidade é que não me interessam comparações. Ela está bem e a evoluir bem e esta é a informação que quero reter. Uma das terapeutas da minha pequena (neste momento ainda só tem uma das terapias) também anda encantada com ela e com o desenvolvimento que esta lhe mostra ter adquirido. Está a adquirir a sua independência e autonomia.

Não é por ser minha (é sim), mas está o máximo...uma reguilona esperta! Uma mini rebelde que deixa os cabelos em pé na escolinha às educadoras e auxiliares e aos papás cá em casa. Ela anda imparável.

E para terminar, devo comunicar que tenho vergonha na cara (ahahahahah) e como tal no fim da consulta, depois de entregar o meu tesouro ao seu pai, voltei para o consultório e ajudei a médica a arrumá-lo, sim a Leonor achou que estava no direito de abrir tudo o que era porta de armários do consultório e mandar tudo para fora. Era ver brinquedos a voar!

Resumindo: a minha Pipoquinha está bem de saúde e a desenvolver bem! O mais importante, e quem priva com ela diariamente pode confirmar, é que a minha Leonor é uma bebé muito feliz e que adora todas as pessoas e que tem feito conquistas todos os dias. É uma guerreira vencedora. E podem confirmar também que esta mamã aqui é muito babada.

Sejam muito felizes e amem muito!

104332044_899411270469925_5762123080085836586_n.jp

104560675_1403858536489350_1491527981624900156_n.j

104606320_548176202726952_9138167487206866567_n.jp

01
Jun20

O Desconfinamento e o Dia da Criança

Neuza

Pois é, já estamos todos a mandar os nossos suspiros e a respirar fundo porque já podemos sair com calma e fazer a nossa vida com alguma normalidade, sendo que essa é por agora adaptada ao que ainda se passa. Sim, eu já disse, mas volto a repetir: o vírus não se foi embora, ainda aí anda e continuamos a ter que nos cuidar, a pensar em nós e nos outros. Mais uma vez peço consciência e bom senso!

A Leonor já vai na terceira semana de creche. Estava em casa, sem sair, desde dia 16 de Março, e quando voltei a levá-la ao colégio, foi um mix de sensações. Já precisávamos todos de dar o rumo que tínhamos antes às nossas vidas.

Foi lindo vê-la levar com o vento na cara, foi fantástico! Ela estava tão feliz, sorria o tempo todo, ria-se para mim, gargalhava, dizia adeus e mandava beijinhos a todos os que por nós passavam, fossem humanos ou animais ahahahah.

Quando chegamos à escola, ficou a espreitar do carro, dei-lhe tempo. Assim que sorriu para mim percebi que havia reconhecido, saímos e dirigimo-nos à porta, eu com a minha máscara e a cumprirmos todas as medidas tomadas pela escola (que como também já vos confidenciei, são imensas, o que me faz sentir segura, pois fazem sentido e neste momento todo o cuidado é pouco).

Quando a quis entregar senti-a a agarrar-me com força o meu braço, não queria sair do meu colo. Não chorou, não fez birras, acabou sozinha por ceder e "entregar-se" a quem a esperava. Disse-me adeus, deu-me um grande abracinho, um beijo doce e seguiu no colinho de quem a acarinha todos os dias a mandar-me beijinhos. Saí e entrei no carro.

Aí respirei fundo, parecia o primeiro dia de escolinha dela e a minha reação (agora pensando nisso), foi exatamente igual. Cheguei a casa e chorei, chorei muito! Penso que todos os pais perceberão. Sim, eu sei que sou uma mariquinhas, mas independentemente das reações que cada um tenha, penso que a todos o coração deve ficar bem apertadinho.

Outra coisa que fiz assim que cheguei a casa, foi enviar logo mensagem à educadora que a recebeu a pedir para me ir dizendo como ela estava, se estava bem, como se comportava, foi inevitável! Só depois de enviar é que pensei que talvez não o devesse ter feito, não quero pressionar ninguém, mas já estava! E sabem que mais a Rute, a educadora que nos deu as boas vindas (tanto quando a Leonor foi para o berçário pela primeira vez, como nesta nossa nova primeira vez, agora pós-quarentena e na creche), respondeu-me prontamente, com todo o carinho que lhe conheço e até fotos, para descansar este coração de mãe, recebi. E lá estava ela toda feliz, a brincar e a conviver com os amiguinhos!

Hoje achei imensa graça quando a fui deixar. Assim que estacionei o carro e me virei para ela antes de sairmos perguntei-lhe: "Estás pronta?" e ela mostrou-me o seu enorme sorriso e disse: "Escola!", ou seja, ela estava pronta para mais uma semaninha de brincadeiras e mimos. Sempre gostou da escola, nunca me fez uma birra para ficar, aliás começa logo a mandar-me beijos e a dizer adeus e  sabem que mais? Hoje não foi diferente e estas 3 semanas mostraram-me (aliás ela mostrou-me) como gosta e de como a creche é importante para ela, fá-la mesmo feliz!

Dia 1 de Junho, Dia da Criança, hoje, dia do nosso futuro...ponho-me a pensar e nós pais temos mesmo uma responsabilidade tremenda, estamos a educar e a criar os adultos de amanhã, somos nós que temos de lhes ensinar os valores, a educação, o como se comportar em sociedade e em serem seres bons e conscientes!

É também o dia em que as crianças mais velhas - do Jardim de Infância - começam a escola, hoje as escolas vão ficar mais preenchidas, vão ganhar mais vida, vão tornar-se mais alegres e completas, mas é também, devido aos tempos vividos, que terão de ter mais cuidado e com regras de contingência mais rígidas, no sentido em que pode haver alguma confusão nas entregas dos meninos e alguns pais não entenderem o porquê de algumas medidas. Regras são regras e são para cumprir, ainda para mais quando falamos nos nossos tesouros, nas pessoas mais importantes das nossas vidas onde andam também as pessoas mais importantes das vidas dos outros. Portanto, compreenderão que são males/bens necessários e que se todos nos portarmos "bem", aos poucos e poucos irá ser possível voltar a uma normalidade que todos queremos.

Muito obrigada às crianças que tornam os nossos dias mais felizes e preenchidos com tanto amor e a todos os educadores e auxiliares das escolas por lutarem connosco, juntamente com eles! Por se dedicarem às nossas crianças, correndo riscos (porque correm), deixando os seus próprios filhos!

OBRIGADAAAAAAA

83686677_676219399839042_5052002393416269824_n.jpg

101571720_699219653953675_8536025373681385472_n.jp

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D