Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Leonor e o Cromossoma do Amor

Este blog serve para vos falar um pouco da nossa vida enquanto pais de uma menina muito especial, pois tem o cromossoma do amor e na realidade foi isso mesmo que ela trouxe à nossa vida: muito amor!

Este blog serve para vos falar um pouco da nossa vida enquanto pais de uma menina muito especial, pois tem o cromossoma do amor e na realidade foi isso mesmo que ela trouxe à nossa vida: muito amor!

Leonor e o Cromossoma do Amor

09
Jan19

O Primeiro Trimestre

Neuza

Com o tempo aquelas dores chatas que eu sentia foram passando, a minha médica disse serem normais, o útero estaria a habituar-se à minha nova condição.

O primeiro trimestre começou mal no sentido em que fui despedida do meu trabalho (nem vou comentar as razões que me foram apresentadas porque não vou perder tempo com coisas sem sentido nenhum) e como é óbvio eu sabia que grávida não ia conseguir arranjar trabalho e tinha razão. Fui a algumas entrevistas, mas assim que mencionava o facto de estar grávida já não servia. No entanto, aquilo que parecia ser mau (pois as minhas contas continuavam as mesmas, mas agora vinha aí um bebé, primeiro filho e que precisava de tudo), não foi de todo porque consegui preparar tudo com tempo e calma e usufrui muito desta gravidez e deste bebé.

Este aspeto foi o único "mau" porque na realidade foi o melhor que me podia ter acontecido.

De resto, estes primeiros três meses correram super bem. Tive uns leves enjoos que teimavam em aparecer, mas apenas à noite e não era nada de transcendente, era como uma má disposição que aparece quando comemos muito. Tive alguma azia, mas que passava rapidamente.

Fiz uma primeira ecografia para datação da gravidez e confirmamos que o nosso bebé estava na minha barriguinha a crescer, parecia um morceguinho e eu estava grávida de 8 semanas como já suspeitavamos. E ouvimos o coraçãozinho dele pela primeira vez, vieram-me as lágrimas aos olhos, batia tão rápido, foi super emocionante.

Depois, às 12 semanas, voltamos a ver o nosso bebé. Não deixou ver o seu género, mas também não tinhamos preferência, queriamos o que todos os pais querem, que viesse com saúde. Nesta ecografia, o nosso bebé já se parecia sim com um verdadeiro bebé, já não parecia um morceguinho. Nesta ecografia, avalia-se a transluscência da nuca, este exame serve para medir a quantidade de líquido na região da nuca do feto, calculando-se assim o risco do bebé apresentar alguma malformação ou síndrome. Quando estas estão presentes, o feto tem tendência a acumular líquido nessa região, por isso, se esta medida estiver aumentada (>2.5 mm), significa que pode haver alguma alteração no seu desenvolvimento.

O valor do nosso bebé estava dentro da normalidade (=1.56 mm) e tudo no nosso bebé estava ótimo. É também nesta altura que fazemos um rastreio bioquímico (análises sanguíneas) para uma possível deteção de trissomias. Foi-nos logo avisado que são apenas percentagens, mas que são testes fidedignos. O nosso rastreio deu negativo, o nosso bebé tinha percentagens muito pequenas em relação a trissomias (1/7218 para trissomia 21 e 1/20000 para as trissomias 13 e 18), o que nos descansou, estava tudo a correr bem.

O tempo ia passando e o nosso bebé ia crescendo, a minha barriga cresceu bastante logo desde cedo, parecia que estava de mais tempo do que o que realmente estava, mas estavamos muito felizes.

E quando demos conta já estavamos no segundo trimestre.

20180222_134731.jpg

20180308_210705.jpg

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D