Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leonor e o Cromossoma do Amor

Este blog serve para vos falar um pouco da nossa vida enquanto pais de uma menina muito especial, pois tem o cromossoma do amor e na realidade foi isso mesmo que ela trouxe à nossa vida: muito amor!

Este blog serve para vos falar um pouco da nossa vida enquanto pais de uma menina muito especial, pois tem o cromossoma do amor e na realidade foi isso mesmo que ela trouxe à nossa vida: muito amor!

Leonor e o Cromossoma do Amor

13
Fev19

Velha? Eu?

Neuza

Esta semana tenho andado a mil, quase que me esqueço de respirar.

Entre as coisas da minha pipoquinha e as minhas o cansaço começa a apertar comigo e psicologicamente não tem sido fácil.

Como já partilhei, estou desempregada e numa busca de emprego que, por sinal, não está nada fácil. Envio CVs e nem uma resposta obtenho, o tempo está a passar e o subsídio de desemprego irá terminar, mas as nossas despesas mantêm-se as mesmas, ou até mais se contarmos com as consultas e terapia da nossa princesinha. Até agora com a ajuda do subsídio e com muito esforço da nossa parte tem dado, mas depois como será? Pois, não sei.

Estou um pouco perdida e na realidade há quem diga que como já cheguei aos 30 anos que estou velha para iniciar um novo percurso profissional.

Mas porquê? Eu não me sinto velha de todo, estou apta e tenho imensa vontade de trabalhar, tenho tentado várias áreas e nada.

Era ótimo e até importante para a nossa menina que eu arranjasse trabalho, isto porque ela está tão habituada a mim, que é uma cegueira já e fazia-nos bem às duas separarmo-nos por algumas horas, até para o desenvolvimento dela, para ela socializar mais com outras pessoas e ganhar confiança que seria extremamente importante para o ganho da sua autonomia e futura independência.

Sei que tenho de ter paciência, mas acabo por me sentir uma inválida. Sou e sempre fui uma pessoa bastante ativa e quase que não me reconheço. Fiquei desempregada quando grávida e aí sabia que seria muito difícil alguém me querer dar trabalho (não que eu concorde porque uma grávida não é uma inválida), mas é neste tipo de mentalidades que estamos inseridos, a grávida acaba por dar prejuízo porque dali a um tempo vai de licença e o empregador terá de ter trabalho a procurar quem a substitua e sim, eu passei por isso. Cheguei a ir a entrevistas, mas como estava grávida não servia.

Agora já não estou grávida, mas parece que continuo a não servir e será pela idade? Parece que sim.

É claro que nesta procura tenho de ter em conta alguns fatores que não tinha antes: o facto de agora ser mãe e de uma menina especial, que tem terapia, variadas consultas e que temos de ser nós pais a acompanhá-la porque os avós (por exemplo) para além de ainda trabalharem também estão fisicamente distantes.

Por cá continuamos a aguentar o barco de mãos dadas e olhamos para a nossa filhota e daqueles olhões azuis vem logo uma força imensa. Tenho fé, mas há dias assim - mais difíceis!

20190209_094117 n.jpg

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D